BUSCA   Line   Line  
Icon Facebook Icon Twitter Icon Linkedin Icon Instagram Icon Youtube
Idioma:         
Logo Banco da Família

HOME
Line
QUEM
SOMOS
Line
NOSSOS
PRODUTOS
Line
BLOG
Line
TRABALHE
CONOSCO
Line
ONDE
ESTAMOS
Line
2ª via dos
boletos
Line
DÚVIDAS
FREQUENTES
Line
FALE
CONOSCO
Line
OUVIDORIA
Icon Facebook Icon Twitter Icon Linkedin Icon Instagram Icon Youtube
Idioma:         

BLOG

Line

TODAS AS INFORMAÇÕES DO BANCO DA FAMÍLIA EM UM SÓ LUGAR

 
29 de janeiro de 2020

Do aluguel à casa própria em dois meses

Desde que casaram, em 2017, a professora de balé Areta Silva Santos e o pintor Hemerson Richard de Albuquerque, que têm 35 anos, alimentam o sonho de morar em um imóvel próprio. Moradores de Lages, na Serra Catarinense, eles já tinham um terreno e um dinheiro guardado, mas não o suficiente para construir.

A oportunidade de começar a obra veio com o programa chamado Lages Meu Lar, uma parceria da Secretaria de Habitação de Lages com o Banco da Família para financiar a construção de até 400 casas no município. A modalidade permite crédito com juros de 2,2% ao mês e parcelamento em até 48 vezes. A prefeitura paga oito destas prestações para clientes que forem adimplentes.

Areta e Hemerson realizaram o sonho no dia 3 de janeiro, quando se mudaram para a residência nova. O dinheiro emprestado foi usado para comprar o material de construção e as economias do casal pagaram a mão-de-obra.

“Todo o processo, entre fazer o cadastro, contrair o empréstimo e erguer a casa durou dois meses. Foi muito rápido. Parece um sonho termos, finalmente, saído do aluguel”, comemora Areta, que já mobilhou e está decorando a casa nova como sempre sonhou.

Como funciona o projeto

Na prática, os aprovados nesta modalidade recebem até R$ 13.118,57 para a construção de casas de madeira e, a cada cinco prestações pagas em dia, a sexta é quitada pela prefeitura. Ou seja: o município faz o pagamento da sexta, da 12ª, da 18ª da 24ª, da 30ª, da 36ª, da 42ª e da 48ª. O apoio financeiro realizado pelo município pode chegar a R$ 3.576,05 por beneficiário.

Os recursos só podem ser utilizados para a compra de materiais de construção através de fornecedores já cadastrados no programa. As famílias que precisarem de recursos para contratar mão-de-obra podem solicitar outro empréstimo diretamente com o Banco da Família.

Além disso, as famílias selecionadas ficam isentas de taxas como alvará de construção, ITBI, ISS e são orientadas sobre o procedimento para a regularização do terreno, se precisarem e se não estiverem em área de preservação ou de risco.

Critérios para participar

– Renda familiar de até R$ 2,6 mil (atividade formal ou informal);

– Ter terreno para a construção da casa (próprio ou cedido);

– Não possuir outro imóvel (a não ser o terreno);

– Comprovar que tem condições de pagar as parcelas.

Por CL Mais